R$ 23 bilhões estão parados no PIS/Pasep; veja se você tem direito

Cotas do Pis/Pasep que totalizam R$ 23,3 bilhões estão “esquecidas” em seus cofres, segundo a Caixa Econômica Federal. O valor se refere a créditos depositados no fundo dos trabalhadores entre 1971 e 1988. Herdeiros podem realizar o saque. Ao todo, são cerca de 10,5 milhões de brasileiros com direito a uma parte deste dinheiro. O fundo é diferente do abono salarial, que é pago pelos empregadores aos trabalhadores que têm carteira assinada e recebem até dois salários mínimos e tenham, pelo menos, 5 anos de carteira assinada. Essas cotas foram liberadas em agosto de 2019 e se referem àqueles que trabalharam em órgãos públicos e empresas privadas entre 1971 e 04 de outubro de 1988. Geralmente o Pis é gerenciado pela Caixa, enquanto o Pasep é administrado pelo Banco do Brasil. Em 2020, no entanto, o Banco do Brasil transferiu os fundos para a Caixa para permitir a unificação dos saques. Segundo a Caixa, o valor do benefício não é de um salário mínimo, mas sim equivalente ao saldo residual de valores creditados. O dinheiro deve ser sacado até 1º de junho de 2025. Após isso, o dinheiro será propriedade da União.

Quem tem direito?

Todos que trabalharam com carteira assinada na iniciativa privada, ou em órgãos públicos entre 1971 e 04 de outubro de 1988 podem ter valores a serem sacados. Herdeiros também têm o direito de realizar o saque.

Como sacar?

O saque de valores de até R$3 mil pode ser realizado através das lotéricas, nos caixas eletrônicos, nas correspondentes Caixa Aqui e nas agências da Caixa Econômica. Valores acima de R$3 mil devem ser retirados somente nas agências da Caixa, onde deverá ser apresentado documento oficial com foto. Além disso, a transferência eletrônica para uma conta corrente pode ser feita através do aplicativo Meu FGTS.

Sou herdeiro, o que preciso levar?

Herdeiros precisam apresentar declaração de consenso entre as partes e a declaração de que não existem outros herdeiros conhecidos, além de documentos como certidão de óbito, certidão ou declaração de dependentes, inventários ou alvarás judiciais que comprovem as informações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *